Tag Archives: muito bom

17jun/15
Thumbnail

Alamos Viognier 2012


Tipo: Branco.
Produtor: Catena Zapata.
Origem: Mendoza, Argentina.
Visual: Coloração amarelo palha com reflexos dourados.
Olfato: Aparecem abacaxi, mel, pêssego, damasco e leves notas tostadas.
Paladar: Possui médio corpo, acidez balanceada e bom frescor. O sabor traz de volta as sensações do nariz junto com um discreto toque mineral. Final prolongado.
Outras considerações: Elaborado 100% com a variedade Viognier, o vinho passou seis meses em carvalho americano e francês. A linha Alamos é feita para o mercado internacional e tem como principal característica a boa relação entre preço e qualidade. Este vinho tem 13,5% de álcool e combinou muito bem com comida japonesa.

Classificação: Muito Bom.
Média de preço: R$ 48 (Importadora Mistral)

Read more:

Alamos Viognier 2012

16jun/15
Thumbnail

Dois Cavas de qualidade abrem a primeira a seleção do Clube W Espumantes

Conforme já havia falado aqui no blog, a Wine.com.br lançou recentemente uma nova modalidade para o seu clube de assinaturas. Trata-se do Clube W Espumantes, que oferecerá, durante três meses, seleções exclusivas da bebida. As se associar ao Clube, os clientes recebem duas garrafas de espumante no valor de R$ 58, cada, e têm os mesmos benefícios dos outros tipos de assinatura.
No último fim de semana, provei os dois exemplares da primeira seleção e fiquei bem satisfeita com a qualidade dos produtos. A dupla da estreia é composta por dois Cavas* produzidos pelas Bodegas Langa.
*(espumantes espanhóis elaborados na região de Penedès que são produzidos através do método tradicional, com segunda fermentação em garrafa)
Confira a avaliação:
Cava Real de Aragón Brut


Tipo:
Espumante.
Produtor: Bodegas Langa.
Origem: Calatayud, Penedès, Espanha.
Visual: Cor amarelo palha. Perlage fino e intenso, com bolhas bem centralizadas e de boa durabilidade.
Olfato: Frutas brancas, como melão e maçã, um leve toque floral, notas de levedura e de bolo de frutas.
Paladar: Envolvente, mostra acidez agradável, boa cremosidade e sensação de “agulha” bem presente. O sabor retrata sensações semelhantes às encontradas no nariz. Boa persistência.
Outras considerações: Elaborado com as variedades Chardonnay e Macabeo, este espumante maturou dez meses em contato com suas leveduras e passou mais três anos descansando nas caves da bodega. Tem 11,5% de álcool.

Classificação: Muito Bom/Excelente.

Cava Real de Aragón Brut Rosé


Tipo: Espumante.
Produtor: Bodegas Langa.
Origem: Calatayud, Penedès, Espanha.
Visual: Intensa coloração cereja. Borbulhas intensas e de boa persistência.
Olfato: Apresenta notas de frutas silvestres frescas, como morango e framboesa, além de toques de flores secas e de panificação.
Paladar: Tem corpo médio, acidez correta e boa sensação de frescor. As frutas predominam o sabor, de forma elegante, mas também aparecem as outras características percebidas no aroma.
Outras considerações: Este é produzido apenas com a uva Garnacha e estagiou nove meses em contato com as suas leveduras. O envelhecimento nas caves foi de três anos. Sua graduação alcoólica é de 12%.
Classificação: Muito Bom.

Link:

Dois Cavas de qualidade abrem a primeira a seleção do Clube W Espumantes

12jun/15
Thumbnail

Willian Cole Albamar Sauvingon Blanc 2012


Tipo: Branco.
Produtor: Willian Cole.
Origem: Vale de Casablanca, Chile.
Visual: Cor amarelo dourado.
Olfato: Notas de maracujá, mel e um interessante toque tostado, embora o vinho não tenha passado por madeira.
Paladar: Médio corpo e boa acidez. O sabor traz as mesmas impressões do nariz. Final de médio a intenso.
Outras considerações: Achei que este vinho já não estaria bom para tomar, pois pela cor dourada já mostrava-se mais maduro. Tive uma grata surpresa, pois ele evoluiu e desenvolveu notas diferentes do que estamos acostumados a encontrar num Sauvignon Blanc. Pensei até que ele tinha estagiado em carvalho, mas a ficha técnica informa que ele não passou por madeira. Valeu a experiência. Tem 12,5% de álcool. Tomar agora.

Classificação: Muito Bom
Preço: R$ 31,90 (Domus Vini)

Visit site:

Willian Cole Albamar Sauvingon Blanc 2012

23abr/15
Thumbnail

Três Cabernets do Chile com uma ótima relação entre qualidade e preço

Fui convidada para conhecer, ontem (22) à noite, um projeto da gigante chilena do ramo de azeites Olisur para o mercado brasileiro. Trata-se do AS3 – um trio de vinhos Cabernet Sauvignon produzido pela vinícola Terramater com a assinatura de Stefano Gandolini, enólogo-chefe da Viña Von Siebenthal, produtor pelo qual tenho grande admiração.
Para se ter ideia, com dois anos e meio no mercado brasileiro, a Olisur deve bater a marca de três milhões de litros do produto comercializados aqui no país, somente este ano. Uma de suas marcas é o azeite Nova Oliva, que pode ser encontrado com facilidade nas nossas prateleiras.
Em relação aos vinhos, eles foram produzidos para serem comercializados apenas no mercado brasileiro, segundo explicou o consultor Paulo Nicolay, durante a apresentação realizada no restaurante Rui Paula, no Recife. A ação foi promovida pelo Grupo RM, distribuidor exclusivo da marca no Estado. Além de Pernambuco, os rótulos estão à venda também no Rio de Janeiro.
De acordo com Nicolay, os vinhos são elaborados com uvas provenientes de três terroirs chilenos localizados no Vale Central: os vales de Curicó, Maule e Maipo. Ele revelou que antes de se juntar ao projeto, fez questão de avaliar bem os produtos. “Fiquei surpreso em primeiro lugar pela sua qualidade e depois pelo seu preço”.
O consultor ressaltou a importância dos vinhos serem produzidos sem exagero de madeira, o que permite sentir na bebida a tipicidade da Cabernet Sauvignon chilena.
E ele está certo. Dá para sentir nos três vinhos a mesma “pegada” da Von Siebenthal, de vinhos equilibrados e elegantes, mesmo na sua jovialidade. Para mim, também contou positivamente o fator preço, justo para a qualidade dos produtos.
Confira a avaliação:
AS3 Cabernet Sauvignon Varietal 2013


Elaborado com uvas dos vales de Curicó, Maule e Maipo, este é o vinho “de entrada” da linha. Exibe uma coloração violeta pouco profunda e traz aromas alegres de ameixa, alcaçuz e especiarias. De paladar leve, traz um sabor delicado de frutas vermelhas, como cereja, e envolve novamente o caráter especiado. Taninos macios e boa acidez. Final de médio a prolongado. Tem 13,5% de álcool. Fácil de beber.
Preço: R$ 24,90
Classificação: Boa Compra.
AS3 Cabernet Sauvignon Reserva 2013


Com amadurecimento de seis meses em barricas de carvalho francês de primeiro e segundo usos, é um vinho também produzido com uvas dos vales de Curicó, Maule e Maipo. Tem cor rubi violácea de média profundidade e aromas que remetem a notas florais, de ameixa, frutas vermelhas, canela e chocolate. Na boca mostra-se leve e com características de jovialidade. O sabor traz de volta as frutas e um toque de café. Persistência de média a prolongada. Sua graduação alcoólica é de 14%.
Preço: R$ 42,90
Classificação: Bom/Muito Bom.

AS3 Cabernet Sauvignon Premium Wine 2012


O “top” do trio é elaborado com uvas provenientes apenas do Vale de Curicó, colhidas em videiras de 50 anos de idade e com produtividade de oito mil quilos por hectare. Sua maturação foi de 12 meses em carvalho francês novo. É um vinho de aspecto rubi claro, com uma boa gama de sensações no olfato, tais como mentol, cânfora, ameixa madura, alcaçuz, baunilha e especiarias. Paladar macio, equilibrado, com taninos adocicados. O sabor é marcado pelas mesmas sensações no nariz. Final prolongado. Tem 14% de álcool.
Preço: R$ 69,80
Classificação: Muito Bom.
*No Recife, os vinhos AS3 podem ser encontrados nas lojas RM Express. Zona Norte [Santo Amaro] – (81) 3036.0500 | Zona Sul [Boa Viagem] – (81) 3032.8200

Visit site: 

Três Cabernets do Chile com uma ótima relação entre qualidade e preço

17abr/15
Thumbnail

Malbec World Day: Ranking dos melhores Malbecs que tomei no ultimo ano

Hoje, 17/04, comemora-se o Malbec World Day. Em um post anterior expliquei o motivo da homenagem a esta uva francesa que hoje é símbolo dos vinhos argentinos. Para celebrar a data, resolvi fazer uma pesquisa dos melhores Malbecs que provei no último ano e disponibilizar aqui para vocês. Ressaltando os vinhos da relação têm pelo menos 90% da variedade Malbec em sua composição.
Caso você queira abrir um hoje para comemorar, escolha um desses aí abaixo. Lembrando que os vinhos feitos com a uva Malbec normalmente são potentes e combinam bem com carnes vermelhas.
Confira o ranking:
  • Kaiken Ultra Malbec 2010 | Excelente/Excepcional

  • Alto Uxmal Alternative Style Malbec | Excelente
  • Nosotros Malbec 2009 | Excelente
  • Nosotros Sofita 2010 | Excelente
  • Rutini Encuentro Malbec 2010 | Excelente
  • Humberto Canale Íntimo Cabernet Sauvignon 2009 | Excelente
  • DV Catena Malbec-Malbec 2010 | Excelente
  • Fond de Cave Malbec 2013 | Excelente
  • Lurton Malbec Reserva 2008 | Excelente

  • Felino Malbec 2012 | Muito Bom/Excelente
  • Altos las Hormigas 2013 | Muito Bom/Excelente

    • Goulart M The Marshall Reserva Malbec Single Vineyard 2011 | Bom/Muito Bom.
    • Navarro Correas Colección Privada Malbec 2012 | Bom/Muito Bom
    • Norton D.O.C. Malbec 2011 | Bom/Muito Bom
    • Reserva del Fin Del Mundo Malbec 2012 | Bom/Muito Bom
    • Zuccardi Serie A Malbec 2012 | Bom/Muito Bom

    • Alta Vista Premium Malbec 2013 | Muito Bom
    • Finca La Celia Reserva Malbec 2007| Muito Bom
    • Kaiken Rosé 2012 | Muito Bom
    • BenMarco Malbec 2013 | Muito Bom
    • Fabre Montmayou Reserva Malbec 2011 | Muito bom
    • Alamos Malbec 2013 | Muito Bom
    • Alta Vista Malbec Rosé 2012 | Muito Bom

    • Sinfonia Selected Vineyards Malbec 2013 | Bom
    • Génesis Malbec 2012 | Bom
    • Altas Cumbres Malbec 2012 | Bom
    • Trapiche Reserva Malbec 2011 | Bom

    • Alta Vista Classic Malbec 2012 | Boa Compra
    • Trivento Tribu Malbec 2012 | Boa Compra

    Visit site: 

    Malbec World Day: Ranking dos melhores Malbecs que tomei no ultimo ano

    10abr/15
    Thumbnail

    Amalaya Gran Corte 2012


    Tipo: Tinto.
    Produtor: Bodega Amalaya.
    Origem: Alto Valle Calchaquí, Salta, Argentina.
    Visual: Cor violácea profunda.
    Olfato: Concentrado, com notas florais, de ameixa madura, canela, especiarias e café.
    Paladar: Carnudo, tem taninos vigorosos e de boa qualidade. Transmite no sabor as mesmas características sentidas no nariz. Boa persistência. Apesar de um vinho potente, mostra na boca um bom frescor.
    Outras considerações: Elaborado com 85% de Malbec e pequenas porções de Cabernet Franc e Tannat, o vinho maturou 12 meses em barricas de carvalho francês e americano (30% novas). As videiras estão plantadas entre 1.700 e 2.300 metros de altitude e obedecem ao método de cultivo biodinâmico, sem o uso de defensivos agrícolas e observando os ciclos da natureza. Sua graduação alcoólica é de 14%.

    Classificação: Muito Bom.
    Faixa de preço: R$ 87 (Importadora Decanter).

    Original article:  

    Amalaya Gran Corte 2012

    19mar/15
    Thumbnail

    12 e Mezzo Malvasia del Salento 2013


    Tipo: Branco.
    Produtor: Varvaglione Vigne & Vini.
    Origem: Puglia, Itália.
    Visual: Coloração amarelo palha com reflexos dourados.
    Olfato: Muito aromático, traz notas florais, de mel, maracujá e folha de limoeiro.
    Paladar: De médio corpo, exibe boa acidez e final prolongado. O sabor se assemelha muito às sensações sentidas no nariz.
    Outras considerações: Elaborado com uvas Malvasia Bianca, é um vinho fresco e leve, com 12,5% de álcool. Boa pedida para quem gosta de vinhos com aroma marcante.

    Classificação: Muito Bom.
    Média de preço: R$ 60 [Importado pela Domno]

    Originally posted here:

    12 e Mezzo Malvasia del Salento 2013

    13mar/15
    Thumbnail

    Os vinhos do “Rei do Amarone”

    Fundada no final do século 18, a Agricola Masi é uma das mais importantes vinícolas da Itália e uma das marcas de vinho mais admiradas no mundo. São conhecidos como os “Reis do Amarone”, por ter aprimorado as técnicas de passificação de uvas utilizadas no Amarone, tradicional vinho da região do Veneto.
    Esta semana, pude participar de um curso de vinhos como o enólogo da casa, Vincenzo Protti (foto), promovido no Recife pela importadora Mistral e Casa dos Frios. Na ocasião, os participantes provaram alguns vinhos da marca, inclusive rótulos produzidos pela Masi na região do Tupungato, Argentina.
    Seus vinhos são complexos e modernos, mas que preservam a tipicidade local. Quem está à frente do grupo atualmente é Sandro Boscaini, descendentes dos fundadores da Masi. Ele buscou resgatar castas autóctones (nativas) do Veneto e trazer novas técnicas de produção. Em seu vinhedo experimental, possui quase 50 variedades diferentes de uvas para selecionar os melhores clones das castas mais emblemáticas e importantes da região, como a Corvina, a Rondinella, a Garganega, Pinot Grigio e Refosco, entre outras. Com este trabalho, a Masi conseguiu recuperar, por exemplo, a antiga uva Oseleta, que pode melhorar os cortes de vinhos DOC e DOCG da região de Verona.
    Confira a avaliação de alguns vinhos provados durante o curso:
    Levarie Soave 2011


    O nome “Soave” estampado no rótulo, ao contrário do que parece, não significa que o vinho é suave. Ao contrário. Trata-se de uma denominação de brancos secos produzidos na região de Soave, comuna do Veneto. Este foi produzido com uvas Garganega (85%) e Trebbiano di Soave (15%). Sua coloração é amarelo palha com reflexos dourados. O aroma, de média intensidade, revela notas florais, de maçã, mel e algo que lembra amendoim. O paladar é de médio corpo e média acidez, com sabor de frutas secas. Parte do vinho (20%) estagiou em carvalho. Tem 12% de álcool.
    Classificação: Bom
    Preço: R$ 107,50*
    Passo Doble 2011


    Já havia comentado este vinho aqui no blog, porém sobre a safra de 2007. É um corte das uvas Malbec (70%) e Corvina (30%) cultivadas na região de Tupungato, em Mendoza, na Argentina. Aliás, a uva Corvina foi introduzida naquele país pela Masi, segundo observou o enólogo Vincenzo Protti. Este tinto tem coloração rubi com traços violáceos. Já no nariz, apresenta bastante fruta madura, notas florais e de especiarias. Paladar de médio corpo, com taninos de qualidade e ótima acidez. Exibe notas de frutas maduras e café. Maturou nove meses em carvalho. A graduação alcoólica é de 13,5%.
    Classificação: Muito Bom.
    Preço: R$ 79,50*
    Campofiorin Rosso del Veronese 2010


    Tinto produzido pela técnica de dupla fermentação, que consiste em passificar uma parte das uvas e adicioná-las ao vinho elaborado com uvas frescas. Tem em sua composição as variedades Corvina (70%), Rondinella (25%) e Molinara (5%). Sua cor é rubi de média profundidade com leves traços violeta. O sabor revela notas de cereja, especiarias e couro. Na boca é seco, elegante, repetindo as sensações do aroma. Tem 13% de álcool.
    Classificação: Excelente.
    Preço: R$ 176,50*
    Passo Blanco 2014


    Mais um argentino produzido pela Masi na região do Tupungato, na Argentina. Este branco é feito com uvas Pinot Grigio (70%) e Torrontés (30%), onde a Pinot Grigio dá um tom de elegância, integrando-se com a exuberância da Torrontés. Sua coloração é muito clara, com tons esverdeados. Já o aroma envolve notas cítricas, florais, de maçã e erva-doce. Paladar fresco, bem equilibrado e de boa acidez. A graduação alcoólica é de 12,5%.
    Classificação: Muito Bom.
    Preço: R$ 73,90*
    Corbec 2010


    Outro interessante corte argentino de Corvina (70%) e Malbec (30%), só que ao contrário do Passo Doble, quem predomina é a uva Corvina, que passa pelo peculiar processo de passificação da Masi. Sua cor é rubi intensa com tons violeta. Frutas maduras, mentol, baunilha, especiarias, café e floral são alguns das características encontradas no aroma. O sabor é encorpado, predominando notas de frutas maduras e chocolate, com final prolongado. A graduação alcoólica é de 14,5%. O vinho maturou 18 meses em carvalho.
    Classificação: Muito Bom.
    Preço: R$ 315,50*
    Costasera Amarone della Valpolicella Classico 2009


    Finalmente, um dos Amarone produzidos pela Masi. Apresentou coloração rubi com tons granada, formando muitas lágrimas na taça. Seu rico aroma mostra notas de cereja madura, floral, ameixa, mostarda e mentol. Paladar elegante, de excelente acidez e persistência. Traz um leve adocicado característico da passificação das uvas. É um Amarone ainda jovem, devendo melhorar com o tempo. Graduação alcoólica de 15%.
    Classificação: Excelente.
    Preço: R$ 666,50*
    *CASA DOS FRIOSAv. Rui Barbosa, 412, Graças, Recife-PE. (81) 2125-0000.

    Read article here: 

    Os vinhos do “Rei do Amarone”

    02fev/15
    Thumbnail

    Casas del Toqui Single Estate Sauvignon Blanc 2014 (#CBE)

    Como já é de praxe, começo de mês é dia de comentar o vinho da Confraria Brasileira de Enoblogs (CBE). A sugestão de fevereiro foi do confrade Alexandre Frias (Diário de Baco/Enoblogs), que fez a seguinte pedida: “Um vinho de Sauvignon Blanc sem limite de preço”. A minha escolha foi degustada comendo um belo ceviche. Confira:

    Tipo: Branco
    Produtor: Casas del Toqui
    Origem: Vale Central, Chile.
    Visual: Cor amarelo palha com tons esverdeados.
    Olfato: Muito vivo e delicado, ressalta notas de frutas cítricas, de maracujá e minerais.
    Paladar: Excelente frescor amparado pela sua boa acidez. Sabor frutado que mescla notas de lima e maracujá.
    Outras considerações: Elaborado com 100% de uvas Sauvignon Blanc, tem 13,5% de álcool. Um vinho com acidez suficiente para acompanhar ceviches. Também vai bem com outros pescados e frutos do mar ou simplesmente pode ser apreciado geladinho, nos dias mais quentes.

    Classificação: Muito Bom (Boa Compra)
    Média de preço: R$ 30 [No Recife, na Dom Vinho]

    Link to original:

    Casas del Toqui Single Estate Sauvignon Blanc 2014 (#CBE)

    28dez/14
    Thumbnail

    Bobal deSanjuan DOP 2011


    Tipo: Tinto.
    Produtor: Bobal deSanjuan.
    Origem: Utiel-Requena, Espanha.
    Visual: Cor rubi bem clara e brilhante.
    Olfato: Especiarias, leve frutado, predominando frutas como morangos, além de um leve toque de grama cortada.
    Paladar: Leve, equilibrado e agradável, com sabor frutado e discreta baunilha.
    Outras considerações: Elaborado 100% com a variedade Bobal (cepa espanhola bastante resistente, também conhecida como Valenciana) este tinto lembra um Pinot Noir do Novo Mundo. Tem 12,5% de álcool e não passa por barricas. A safra de 2011 ganhou 90 pontos de Robert Parker.

    Classificação: Muito Bom.
    Preço: R$ 45 [www.wine.com.br]

    See the original post: 

    Bobal deSanjuan DOP 2011